26/04/2018

Encontro Viver Montessori | 14-04-18

O Mundo Somos Nós - Vila Verde


10/03/2018

Pintar ovos com tintas naturais



Sem grande dificuldade, e usando ingredientes naturais,  é possível criar uma atividade gira. Precisamos apenas de ovos,  folhinhas de ervas, elásticos ou fio e collants finas.
Como corantes naturais usamos açafrão em pó, couve-rouxa e casca de cebola. Esta última não resultou muito bem, porque a cor natural da casca dos nossos ovos já era próxima à cor da casca de cebola. Neste caso, resulta bem, quando são ovos mais claros. 

As crianças adoram colher flores e folhas. Essa é a primeira tarefa.

Para preparar os ovos, colocamos as folhinhas a gosto. Para as folhas se colarem à casca do ovo, é melhor deitar uma pequena gota de água com um pincel. Cortar a meia para fazer uma espécie de saquinho (como se vê na última imagem)  e embrulhar o ovo. Tem que se ter alguma delicadeza e paciência, porque as folhas podem sair.

Numa panela, leva-se ao lume as cascas da cebola com água e sal. O mesmo processo para a couve-rouxa (usei uma couve com 1kg aproximadamente). Outra panela com açafrão, e como queria uma cor intensa juntei 3 colheres de sopa de açafrão. 

Levar as panelas ao lume. Neste momento juntei os ovos a cozer, mas pode-se cozer os ovos à parte e colocar nos corantes depois. 
Libertar ao lume as cores, por 12 minutos. Retirar e deixar arrefecer um pouco. Coar a água das cascas,  e de seguida deitar 2 colheres de sopa de vinagre.  

Deixar os ovos em cada corante durante algum tempo. A tonalidade das cores finais, varia de acordo com a cor da casca, e com o tempo em que os ovos permanecem dentro do  recipiente do corante.

Esta atividade envolve vários passos e muita perícia. Todo o processo é rico de aprendizagem. No final, ver as cores que resultaram e os feitios das folhas, é lindo! 





07/03/2018

Encontro Viver Montessori | 24-03-18


Março 
24 de Março (sábado)  - 15H às 18H - Matosinhos

05/03/2018

Os Ovos | Vida Prática




cuidado com os ovos, não os partas…
não faças omelete…

Quer seja a pegar, a partir, a descascar ou a cortar um qualquer alimento é necessária muita atenção e delicadeza. A criança usa os olhos para focar a atenção e as mãos para executar a tarefa.

Os exercícios da vida prática envolvem várias habilidades:
  • desenvolvimento da motricidade fina
  • coordenação olho-mão
  • capacidade de controlar a pressão exercida
  • destreza manual
  • velocidade e o controle dos movimentos

Numa primeira decisão, evitamos que a criança pegue nos ovos. Estes são muito frágeis e partem-se com facilidade. Mas, por este motivo, é que poderíamos deixar as crianças pegar nos ovos.

A característica que mais observo neste trabalho é a delicadeza. O facto de ser um alimento tão sensível, faz com que a criança interiorize essa necessidade de ter cuidado, de pegar com delicadeza e de se concentrar nesse movimento.
Nas primeiras vezes, a criança vai partir alguns ovos, até o seu próprio controle de erro interior, começar a definir os ajustamentos que precisa de fazer.
Devido às diferentes texturas, camadas, estado líquido e sólido, a criança utiliza os sentidos e vai reconhecendo os diferentes elementos, tornando-se uma atividade sensorial intensa.


É lindo dar a oportunidade e abrandar o ritmo (do adulto) para simplesmente observar o momento e a mestria da criança.


Na cozinha temos muitas oportunidades de desenvolvimento e de aprendizagem - sentidos, linguagem, cultura, história, geografia, matemática, ciência - que de forma indireta potenciam a aprendizagem global.

03/03/2018

Fluffy Slime | Massa Fofinha


Tal como a plasticina caseira e a massa viscosa dos pega-monstros, esta slime é mais um momento recheado de entusiasmo.

Vale a pena preparar estas atividades com as crianças, não só pela diversão, mas essencialmente pela emoção deles ao fazerem estas misturas! 
É maravilhoso ver nas crianças, aquele olhar de total interesse e de curiosidade.💛 

Precisamos de
  • Cola Branca - 1 chávena
  • Espuma de barbear - 3 ou 4 chávenas
  • Borato de Sódio - 1 colher de sopa
  • Bicabornato de sódio - 1 colher de chá
  • Água morna - 1 chávena
  • Água fria - 1 chávena
  • Corantes alimentares
  • Recipientes, espátula, colheres.
Também se consegue fazer a slime sem o borato, mas não fica tão elástica. Apesar de dar uma consistência diferente, outra opção ao borato de sódio, é soro fisiológico. 

Como fazer?
Passo 1Dissolver bem o borato de sódio no copo de água morna. Reservar.
Passo 2 - Deitar a cola no recipiente e adicionar a água fria. Mexer bem.
Passo 3 - Adicionar o bicabornato de sódio e continuar a mexer.
Passo 4 - Acrescentar a espuma de barbear e misturar.
Passo 5 - Acrescentar gotas do corante . Envolver tudo muito bem. A consistência fica macia, mas ainda não está moldável.
Passo 6 - Deitar o borato de sódio na massa, aos poucos. Misturar bem, entre cada colher. Se a massa continuar pegajosa, adicionar mais um pouco da mistura do borato de sódio. 
Passo 7 - Quando a massa deixar de colar nas paredes do recipiente, e sem colar nos dedos e já estiver moldável, está pronta!  Fica com uma consistência viscosa e macia!

Para cores diferentes, repete-se o processo. Utilizamos dois corantes - vermelho e verde.

A brincar, está presente ciência, observação, concentração e trabalho de motricidade. 

Divirtam-se! ❤❤







26/02/2018

Educar para a Paz

21/02/2018

O sentido da vida

O SENTIDO DA VIDA - GIOVANE BRISOTTO from JumpCut on Vimeo.

Ouvi uma conversa, em que uma criança estaria proibida de brincar na casinha de brincar. Essa criança teria feito algo de "errado" ou teria tido algum comportamento desadequado. Esta classificação depende sempre, claro, do momento, do adulto nesse momento, da dimensão do problema, da intensidade do poder, da gravidade das consequências...

Existe uma cultura orientada para a punição. Existe uma cultura educativa orientada para o castigo. Também se pode descrever com palavras mais amenas, para aliviar,  como a palavra consequência. Será uma questão de vocabulário. Depende das circunstâncias.

A questão é - qual é o sentido da vida?
O sentido da vida?

De que forma uma educação orientada para a punição se relaciona com o sentido da vida?
E se colocar a questão de outra maneira - O que realmente importa na vida?
Ou se colocar a questão assim - De que forma uma educação orientada para o que realmente importa na vida, se relaciona com o sentido da vida?

Brincar é um direito da criança. Não é retirando o seu espaço de brincadeira que lhe vai dar sentido à vida, nem tão pouco a vai educar para a paz. Vai apenas, mostrar-lhe que, quando alguém se porta menos bem, a solução é punir. 
Observei a raiva da criança. Enquanto as outras crianças brincavam nesse espaço, ela dava voltas desorientadas, procurando qualquer coisa onde se pudesse libertar. As emoções estavam lá. E vão estar todo o dia, e mais "asneiras" vão acontecer.

Podemos comprar um pacote de sessões de "como gerir as emoções". Faz bem. É uma possibilidade. Podemos também, tentar libertar-nos de uma educação baseada na punição. Talvez esta solução seja um sentido para a vida. Talvez seja a solução, para uma vida com sentido. Talvez seja a solução, para mais amor, mais afeto e mais empatia pelas emoções das crianças. É um bom sentido para a vida.
Também é um bom sentido usar palavras amorosas para colocar limites e modelar comportamentos. Sabemos que as crianças imitam os adultos. 

Naquele dia em que ouvi as palavras das crianças, estava sempre a lembrar-me disso. Não conseguia esquecer o olhar daquela criança. Não conseguia esquecer, que as outras crianças que lá estavam, cumpriam aquela punição, não deixando a amiga brincar naquele espaço. Cumpriam as ordens. Qual o sentido da vida?

Li o artigo sobre o falecimento de Giovane De Sena Brisotto, protagonista do documentário "O Sentido da Vida", do realizador Miguel Gonçalves Mendes. O filme retrata Giovane,  na sua viagem de mais de 50 mil quilómetros pelo mundo, por sítios onde a sua doença, possa ter tido incidência.

«O Giovane de Sena Brisotto deixara de sentir os pés, começara já a andar um pouco esquisito, meio esquecendo as pernas, como se houvesse uma hesitação em cada passo. A paramiloidose, descobríamos todos, subia. Ascendia por seu corpo igual a sombra levantada do chão. »Valter Hugo Mãe

De um momento para o outro, perdemos a vida. Convém lembrar que, só temos uma vida e uma infância. E esta é o princípio de tudo.

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Print

Print Friendly and PDF