19/04/2017

Os Ritmos da Criança | Montessori



“ Se a criança intenta pentear-se, o adulto, em vez de se encher de admiração por esta maravilhosa tentativa, sente as suas prerrogativas assaltadas, e apenas nota que a criança não se penteia bem, nem depressa, e não conseguirá fazê-lo, enquanto o adulto pode executar isso muito melhor.”

Pausa, para respirar fundo.

É assim que acontece, não é?
Qual é a ação imediata? Tirar (ou arrancar) o pente das mãos da criança.

Pausa, para respirar fundo.
  
O Método Montessori é também conhecido pela expressão “Seguir o ritmo da criança”. É um princípio do método, respeitar os ritmos de cada criança. Parece simples, mas não é. Aliás, exige do adulto uma grande capacidade de auto-regulação. A citação com que iniciei este texto é um exemplo da nossa (in)capacidade de compreender o ritmo da pequena criança. É claro que, conseguimos pentear mais rápido. Há quantos anos andamos neste mundo? Esquecemos que, aquela pequena criança conhece o mundo há “poucos dias”.
O adulto irrita-se com a criança, por causa do seu ritmo, pelos movimentos lentos e desordenados, tão diferentes dos seus. O adulto sente sofrimento por esse ritmo e tenta fugir, substituindo o ritmo da criança pelo seu. Sim, aquele ritmo da criança provoca sofrimento no adulto. E por isso ele foge desse estado de espírito. Ao substituir a criança, passa a sentir-se melhor.

“ Em vez de prestar auxílio às suas necessidades psíquicas mais essenciais, o adulto substitui a criança em todos os atos que esta quer realizar por si, vedando-lhe todos os processos de atividade e constituindo-se no mais poderoso obstáculo contra o desenvolvimento da sua existência.”

O adulto torna-se no maior obstáculo da criança. Quem diria! Só quer ajudar!

“Quem poderia imaginar que esta inútil ajuda dada à criança é a raiz de todas as repressões e, por conseguinte, causa dos perigosíssimos danos que o adulto ocasiona à criança.”



O adulto, ao ver que a criança desenvolve muitos esforços para executar uma ação que acha ser capaz de realizar mais rápido e melhor, sente a tentação de a ajudar e de a interromper. Este é dos maiores danos no desenvolvimento da criança, causados pelo adulto. Esta é uma das grandes causas para manifestações negativas ao longo da vida da criança.

O ritmo do movimento é parte integrante da construção do indivíduo. O adulto, consegue suportar o ritmo acelerado da criança, porque é associado à vivacidade da criança, mas o ritmo lento tende a substituí-lo.

“ O adulto poderia realizar uma espécie de missão: a do inspirador das ações infantis; um livro aberto em que a criança poderia descobrir as diretrizes dos seus próprios movimentos e aprender tudo o que é necessário para os executar bem.”

Para seguir o ritmo da criança é necessário que o adulto seja paciente e calmo. A criança observa todos os seus movimentos. Seguir o ritmo da criança é respeitar os seus movimentos, sejam eles lentos ou rápidos. Interrompê-los, nas suas preciosas ações, é eliminar a sua oportunidade de aprendizagem.



Escrevi este texto para o blog Our Picturing Days, um espaço de partilha muito intimista. A autora do blog, a Vânia, tem muita curiosidade sobre o Método Montessori e trocamos algumas ideias sobre este tema. Talvez as dúvidas da Vânia, sejam também as dúvidas de outras mães e por isso, partilhar conhecimento sobre este método é para mim uma alegria muito grande. Obrigada Vânia pela oportunidade.


·        * Todas as citações foram retiradas do livro A Criança, de Maria Montessori

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...