23/07/2017

Salada de Flores


A Fernanda Botelho é uma reconhecida Herbalista e tem espalhado sementes através dos seus livros e do seu blogue http://malvasilvestre.blogspot.pt/. Tem diversas publicações em revistas e presenças em programas televisivos. Participa em projetos escolares de educação ambiental e partilha com as crianças a sua sabedoria. É autora de vários livros.

O seu livro Salada de flores é um excelente livro infantil de iniciação à botânica e à ecologia. Escrito de uma forma sensível, as personagens participam numa inesquecível viagem ao mundo das plantas. Entre malvas e calêndulas, borragens e tanchagens,a Sara, a Maria, a Carolina e o Rodrigo divertem-se e aprendem. Uma horta ecológica onde não há lugar para adubos químicos, uma piscina em que a limpeza da água não depende do cloro, e uma casa de argila e de palha, com um jardim no telhado, são o cenário ideal para a aventura da Sara, da Maria, da Carolina e do Rodrigo, quatro amigos de palmo e meio que partem à descoberta da natureza.


Livro 'Salada de flores' from Sara Simões on Vimeo.


A quinta da Sara tem uma casa com um telhado verde.
Verde como a horta que fica mesmo ao lado,

Onde crescem morangos perto da borragem.

A borragem que dá coragem,

Coragem de não ter medo das urtigas.
Urtiga que servem para fazer chá, sopa e chorume.




 (origem Fernanda Botelho)

Nunca mais esqueci o livro, desde que o vi pela primeira vez numa livraria. Na altura achei que era um livro tão único, por ser dedicado a plantas e flores e escrito por uma autora portuguesa. As lindas ilustrações de Sara Simões tornam este livro ainda mais especial.

É curioso que,  por via deste blogue, tenha agora a oportunidade de ler o livro e de escrever este texto. Só posso sentir gratidão. 💜
Mas, não fazia ideia de outro pormenor maravilhoso - a Fernanda Botelho tem formação em Educação Montessori! Não há coincidências. Por alguma razão a encontrei.

Não resisti em colocar-lhe algumas questões sobre o Método Montessori. 

Como encontrou o método Montessori?
Desde muito cedo que tive a certeza que queria trabalhar com crianças e com plantas. Fui viver para Londres aos 17 anos e comecei a pesquisar vários cursos de pedagogia. Uns anos mais tarde, em 1985, depois de algumas viagens, regressei a Londres e  quando o meu inglês já estava bem interiorizado decidi inscrever-me no curso de Educadora Montessori.

Porque decidiu estudar o método?
Por várias razões. Existem muitas coisas nessa pedagogia que fazem sentido como a forte ligação à Natureza e o constante reforço nos métodos que conduzem a uma grande autonomia e independência da criança. Os exercícios muito estruturantes são ótimos em crianças que tenham uma natureza organizada e algum sentido de ordem mas são mais difíceis em crianças mais caóticas e desconcentradas acabando estas muitas vezes por se sentir frustradas ao não conseguir realizar. Existem muitos métodos pedagógicos e existem muitos tipos de crianças, para umas este método será ideal para outras fará mais sentido a pedagogia Waldorf ou Pestalozzi ou outra.

É possível aplicar o método em casa? 
Sim, claro.

Comentário final.
As pedagogias são como as religiões, não existe uma que esteja completamente certa. No fundo, a essência de todas as religiões, assim como a essência de grande parte das pedagogias é cuidar do bem-estar  e do desenvolvimento saudável e feliz de todas crianças.
Continuo no entanto a achar que uma boa pedagogia posta em prática por alguém que não tenha paixão e amor pelo que faz, não serve de nada. A melhor pedagogia é mesmo o amor e a verdade.


(origem Fernanda Botelho)

A botânica é um tema muito forte no Método Montessori. Já escrevi, várias vezes ao longo dos textos deste blogue, que a Natureza desempenha um papel fundamental no método. 
Salada de Flores é um livro fantástico para incluir nesta aprendizagem. A Fernanda Botelho vai às escolas apresentar o livro e leva um cesto das flores que constam no livro. As escolas deveriam incluir esta atividade no seu plano anual. Mesmo que, não haja a possibilidade da visita da autora, poderiam adquirir o livro e seguir a sua história, que é um lindo guia de introdução à botânica. Quer seja através da  história, quer seja através das ilustrações é delicioso apresentar às crianças. E será ainda melhor se forem juntos, colher as plantas. A mesma sugestão para fazer com a família.

Encantadas e inspiradas no livro, já começamos a fazer coisas! 😊



Entretanto, vamos colher flores e fazer a salada de flores comestíveis. 💚💚 Ou então, talvez o bolo de alfarroba.


A boa notícia é: A Fernanda Botelho e a sua editora Dinalivro Edições vão oferecer um exemplar aos seguidores do Taquid. 💚💛😊😊 Estejam atentas/os à página de facebook


Próximos eventos de Fernanda Botelho
13 de Agosto na Quinta da Ribafria em Sintra
3 de Agosto em Sintra Programa Ciência Viva (gratuito)
4 de Agosto Festival Zimp em Seia.
23 e 24 Agosto Jardim Botânico do Faial nos Açores
3 de Setembro na Quinta da Ribafria em Sintra
12 e 13 de Setembro em Sintra Programa Ciência Viva (gratuito)

12/07/2017

Dar voz al niño


O título do livro – Dar a voz al niño - despertou a minha atenção. O que significa dar a voz á criança? 

A autora do livro Yvonne Laborda tem um discurso provocador, sem rodeios e palavras amenas.  E foi essa forma de escrever que me levou a querer partilhar o livro com os seguidores do blogue. A realidade é sempre difícil de aceitar, mas é essencial para a nossa cura e para criar gerações mais pacíficas. Com este livro, a autora procura despertar as consciências para uma comunicação de amor e de intimidade emocional com as crianças.

A violência sobre as crianças tem diminuído (às vezes tenho dúvidas) ao longo das gerações, ou pelo menos não é tão visível. Mas, existe ainda agressividade na forma como comunicamos com a criança e como a tratamos. Ao longo de todos os capítulos, a autora dá vários exemplos sobre a agressividade a que as crianças são sujeitas. 

A Yvonne Laborda permanece na esperança e acredita que, num futuro próximo seja possível alterar esta realidade.

que un día no muy lejano también nos daremos cuenta que castigar, amenazar, obligar, forzar, gritar, desatender, no escuchar, ordenar, exigir, premiar, humillar, rechazar, criticar, juzgar e ignorar a un niño también es mal trato, abuso emocional y un acto de violencia.

Segundo a autora, se na nossa própria infância tivemos pouca ou nenhuma voz, dificilmente daremos a voz aos nossos filhos. Aqui estará a grande questão. É necessário escutar a criança, deixando de julgar as suas necessidades legítimas.


O livro, composto por quase trezentas páginas, está dividido em quatro capítulos:
  1. Qué nos impossibilita conectar emocionalmente com los niños?
  2. Las cuatro raíces de la crianza consciente
  3. Sintiendo al niño
  4. Criando un nuevo mundo
Neste link pode ler com mais detalhe o índice e a introdução.

Um dos objectivos do trabalho de Yvonne é ajudar a cortar a cadeia transgeracional de desconexão e de falta de empatia pelas necessidades da criança. Acredita que, numa só geração é possível ter mais adultos que viveram infâncias mais humanas. Uma geração pode construir uma parentalidade mais consciente. Mas, como se pode mudar toda uma sociedade? Simplesmente, mudando a forma como nos relacionamos com a criança: criando relações mais amorosas e pacíficas e libertando-nos de juízos, críticas, expectativas e necessidade de controlo. 

Já Maria Montessori, havia escrito sobre este assunto, no tema educar a humanidade para a paz. 
Só através de uma educação consciente e respeitadora da criança se pode construir a paz no mundo e no pequeno mundo da criança e da família.

Um exemplar deste livro será oferecido pela autora, através de um sorteio na página de facebook do taquid. ❤❤ Aproveite! Fique atenta/o! 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...